Início » Blog » China cria lei para limitar poder de algoritmos

China cria lei para limitar poder de algoritmos

China cria lei para limitar poder de algoritmos

As big techs detêm um poder grande com o uso de algoritmos e inteligência artificial. Segundo o colunista Felipe Zmoginski, justamente pensando em diminuir a influência dessas empresas, o governo da China promulgou uma lei que impõe limitações adicionais a atuação delas. Agora, a legislação deseja impor limites ao poder dos algoritmos.

O que rolou

A partir de março, os usuários poderão escolher se querem ou não receber sugestões de compras baseadas em informações coletadas sobre eles. Sabe como é a gente comenta com alguém que precisa de um celular novo e, de repente, passa a receber publicidade digital sobre o assunto.

A lei chinesa deve conferir ao usuário o direito de escolher se deseja —ou não— receber ofertas com base em dados de seu comportamento e hábitos de consumo. E isso vai impactar o e-commerce chinês. É bom lembrar que o varejo online na China é maior do que o offline.

As limitações para o uso de algoritmos devem ser aplicadas também na precificação de produtos. Na China, é normal que sistemas de vendas online “ajustem” seus preços de acordo com o poder aquisitivo e “disposição para comprar” dos consumidores. Os recursos de IA (inteligência artificial) também não poderão ser usados com o objetivo de “discriminar” consumidores.

Por que isso é importante

A nova lei é particularmente rigorosa com as aplicações de mídias sociais, como o Douyin, nome local do TikTok, e apps de games, segmento liderado pela Tencent no país. De acordo com os legisladores, a eficiência da IA destes serviços é tamanha que, na prática, oferece-se sempre um conteúdo capaz de “fisgar” a atenção do usuário, mantendo-o permanentemente preso à plataforma.

O governo chinês não quer apenas diminuir o poder das big techs, mas também tenta implementa políticas públicas para moldar o comportamento de seus jovens.


Fonte: Tilt UOL